sábado, 12 de março de 2016

[Resenha] "E o Vento Levou", por Margaret Mitchell

     Um dos maiores clássicos da literatura mundial, "E o Vento Levou", romance de Margaret Mitchell, escritora e jornalista norte-americana, foi publicado originalmente em 1936, conquistando o prêmio Pulitzer no ano seguinte.

      A trajetória de Scarlett O'Hara, uma jovem mimada que é obrigada a amadurecer em meio aos conflitos de sua época, é uma das mais célebres narrativas, que não só encantou as pessoas por meio das páginas, mas também por sua adaptação cinematográfica, protagonizada por Vivien Leigh e Clark Gable, vencedora de 8 Oscar.


     Margaret Mitchell descreve de maneira impressionante a Guerra Civil norte-americana e retrata as grandes mudanças que pavimentaram a história dos Estados Unidos.



Informações


Título original: Gone With the Wind
Autora: Margaret Mitchell
Tradução: Marilene Tombini
Editora: Record
Ano: 2012
Páginas: 952


Sinopse


      Ano de 1861. O sul dos Estados Unidos está prestes a ingressar na sangrenta Guerra Civil norte-americana. Na fazenda Tara, na Geórgia, a bela jovem impetuosa e mimada Scarlett O’Hara transforma-se em mulher prática e disposta a tudo para conquistar o que deseja. 

      Frustrada por não conseguir se casar com Ashley Wilkes, Scarlett acaba se envolvendo com o aventureiro Rhett Butler, com quem viverá uma das histórias de amor mais célebres e conturbadas da literatura. A guerra é intensa e o cerco dos ianques, incisivo, levando a fazenda a uma situação desastrosa de fome e desespero.


Resenha


      Acho uma grande temeridade da minha parte escrever uma resenha sobre um clássico como "E o Vento Levou", mas, confesso, não resisti. Depois da extensa leitura - acho que o romance em questão é o maior que já li em toda minha vida! -, senti muita necessidade de comentar sobre ele.

      Há tempos que eu desejava conhecer a obra de Margaret Mitchell. Sempre ouvi referências e citações em relação à célebre personagem Scarlett O'Hara e isso sempre me deixou interessado em conhecê-la.

      Quando iniciei a leitura, me surpreendi de forma muito positiva: apesar de ter sido escrito há 80 anos, "E o Vento Levou" tem uma narrativa bastante atual; e sua linguagem não é sinuosa como estamos acostumados a nos deparar em outros romances da mesma época. Assim, o ritmo da leitura flui de forma ágil, o que é ótimo, se levarmos em conta o número de páginas do livro.

      Em relação aos personagens, fiquei satisfeito com quase todos. Principalmente com o casal Scarlett O'Hara e Rhet Butler, e Melanie Hamilton, a irmã do primeiro marido de Scarlett. O único personagem que me desagradou foi Ashley Wilkes. Não sei explicar ao certo o motivo, mas a insegurança dele em relação aos seus sentimentos por Scarlett me irritou um pouco. E sua personalidade também não ajudou muito.

      "E o Vento Levou" é o tipo de livro que gosto bastante. Tem uma história forte, personagens bem delineados, sequências extremamente emocionantes e intensas, repletas de ação e surpresas a cada capítulo.

      No decorrer das 952 páginas, me vi envolvido com todos os personagens. Margaret Mitchell, com uma habilidade singular, nos faz sentir tão enredados com a história, que é como se estivéssemos ao lado de Scarlett e todos os habitantes do condado, passando por todos os conflitos provocados pela Guerra Civil Americana. Aliás, a Guerra é como uma personagem da história, já que ela é a responsável por toda ação do romance e mexe com a vida de todos. É de impressionar as mudanças que ela em cada um dos personagens.

     Imprevisível e cativante, "E o Vento Levou" é uma saga inesquecível sobre força, esperança e persistência. Um romance admirável, que me fez refletir que nos momentos mais difíceis, nossa única alternativa é deixar o passado de lado, conservando apenas as boas lembranças; com confiança para enfrentar o presente e coragem para encarar o que ainda está por vir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário