sábado, 17 de dezembro de 2016

[Resenha] "O Regresso", por Michael Punke

     Mais que uma narrativa sobre vingança, "O Regresso" é, sobretudo, uma história de sobrevivência. 

     A obra de Michael Punke, que ganhou as telas do cinema em 2016 no premiado longa-metragem protagonizado por Leonardo DiCaprio, retrata a trajetória de um homem determinado a acertar contas com dois traidores e sua incansável luta pela vida.

      Baseado em eventos reais e escrito em uma prosa arrebatadora, "O Regresso" é uma singular história de obsessão, um romance sobre um homem cuja vida foi ao mesmo tempo salva e condenada pela sede de vingança.




Informações


Título original: The Revenant
Autor: Michael Punke
Tradução: Maria Carmelita Dias
Editora: Intrínseca
Ano: 2016
Páginas: 272


Sinopse


      Em 1823, os caçadores da Companhia de Peles Montanhas Rochosas desbravavam as terras inexploradas dos Estados Unidos, enfrentando diariamente o clima implacável, as feras selvagens e a ameaça constante de confronto com os índios, que defendiam suas terras da invasão dos homens brancos.

     Em uma das missões da companhia, Hugh Glass, um dos melhores e mais experientes do grupo, fica frente a frente com um urso-cinzento, é atacado e termina gravemente ferido, claramente sem chances de sobreviver. Os homens que deveriam esperar sua morte e lhe oferecer um funeral apropriado o abandonam, levando consigo as armas e os suprimentos. Entre delírios, Glass os observa fugindo e é tomado por um único desejo: vingança.


Resenha


      Ao contrário do que acontece em relação aos livros, sou muito desligado com os lançamentos do cinema. Por causa disso, conheci o livro "O Regresso" antes de saber que ele ganharia um filme. Aliás, só soube da adaptação cinematográfica por causa da capa do livro, que informava: "O livro que inspirou o filme".

     A história de "O Regresso" já nasceu clássica. É daquelas que só pela sinopse já é possível perceber a grandiosa história que se esconde por entre suas páginas. Impossível não sentir o mínimo de empatia por Hugh Glass, o protagonista, e acompanhar sua árdua e imprevisível jornada.

     Fiquei extremamente admirado com a riqueza de detalhes do livro. Mas não se trata de descrições irrelevantes e descabidas. Com base em uma vasta e cuidadosa pesquisa, tudo que Michael Punke nos descreve tem um motivo ou fará sentido em algum momento da história. Quanto à narrativa, em momento algum me pareceu monótona ou arrastante, como eu imaginei que poderia ser. Muito pelo contrário, devido aos inúmeros acontecimentos, senti que a leitura fluiu de forma prazerosa e em ritmo ideal para uma boa apreciação e entendimento da história.

     Não consegui observar qualquer coisa que possa classificar como ponto negativo na obra.

     Talvez o maior aprendizado que podemos tirar de "O Regresso" é a persistência. Como disse no início da postagem, o livro é mais uma história de sobrevivência do que de vingança. Está certo que acertar as contas com John Fitzgerald e Jim Bridger - os homens que o abandonaram completamente debilitado após o ataque da ursa - é o maior objetivo de Glass durante sua jornada; e é o que move a história. Mas a luta por sua sobrevivência e todos os incontáveis percalços pelos quais ele passou, é de se admirar. Em diversos momentos da história, Glass esteve cara a cara com a morte, mas não se deixou intimidar, renascendo em todos eles.

     Surpreendente do início ao fim, "O Regresso" foi muito além das minhas expectativas. Um livro que dificilmente será esquecido.


Nota:     

Nenhum comentário:

Postar um comentário